Categories
Vale Assassina

Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (CFEM) 2016

DÍVIDA 2016

O valor agregado reivindicado nas autuações pendentes é de aproximadamente R $ 6,278 bilhões, incluindo juros e multas até 31 de dezembro de 2016

Processos relacionados ao CFEM

Estamos envolvidos em vários processos administrativos e judiciais relacionados ao royalty de mineração conhecido como CFEM. Para obter mais informações sobre o CFEM, consulte Informações sobre a empresa – Assuntos regulatórios – Royalties e outros impostos sobre atividades de mineração . Esses processos decorrem de um grande número de avaliações pelo DNPM. Os processos referem-se a diferentes interpretações do método de estimativa de vendas do DNPM, prazo de prescrição, processo legal, pagamento de royalties pela venda de pelotas e cobranças do CFEM sobre as receitas geradas por nossas subsidiárias no exterior. O valor agregado reivindicado nas autuações pendentes é de aproximadamente R $ 6,278 bilhões, incluindo juros e multas até 31 de dezembro de 2016.

Estamos contestando as reivindicações do DNPM usando as avenidas disponíveis de acordo com a legislação brasileira, começando com disputas em tribunais administrativos e prosseguindo com disputas nos tribunais judiciais. Recebemos algumas decisões favoráveis ​​e desfavoráveis ​​e não podemos prever a quantidade de tempo necessária antes das resoluções judiciais finais.

As avaliações do DNPM cobriram inicialmente um período de até 20 anos antes de suas emissões, com base na interpretação de que o estatuto de limitação aplicável às reivindicações do CFEM seria de 20 anos. Desafiamos todas as avaliações que sustentam que essas reivindicações estão sujeitas a um prazo de prescrição de cinco anos. Em dezembro de 2015, a Procuradoria-Geral da República emitiu um parecer jurídico concluindo que os pedidos do CFEM estão sujeitos a um prazo de prescrição de 10 anos. Essa conclusão é consistente com as recentes decisões do Superior Tribunal de Justiça (“STJ”), e esperamos que o DNPM revise todas as autuações para excluir cobranças que estão dentro do prazo estipulado nesta opinião legal.

Autuações de ICMS e processos judiciais

Estamos envolvidos em vários processos administrativos e judiciais relacionados a cobranças adicionais de imposto sobre valor agregado por serviços e circulação de mercadorias (ICMS) pelas autoridades fiscais de diferentes estados brasileiros. Em cada um desses processos, as autoridades fiscais alegam que (i) determinados créditos que deduzimos de nossos pagamentos de ICMS não eram dedutíveis e (ii) não cumprimos determinadas obrigações acessórias; (iii) somos obrigados a pagar o ICMS na compra de energia elétrica e (iv) somos obrigados a pagar o ICMS em conexão com mercadorias que trazemos para o Estado do Pará. Determinamos que temos uma possível perda em processos envolvendo um valor total estimado de R $ 4,4 bilhões.

Em conexão com um processo legal relacionado ao ICMS, promotores do estado do Rio de Janeiro estão buscando acusações criminais contra membros da administração de nossa subsidiária MBR, alegando fraude tributária. O valor envolvido no processo tributário subjacente é pequeno (aproximadamente R $ 7 milhões), mas se essas acusações forem aceitas pelo tribunal, será iniciado um processo criminal contra esses indivíduos. Acreditamos que essas alegações são sem mérito.
Além das autuações tributárias descritas acima, as autoridades fiscais do Pará emitiram autuações afirmando que o cálculo do ICMS deve ser baseado no valor de mercado do minério de ferro transportado, em oposição ao custo de produção do minério, que usaram para calcular o ICMS devido nos anos anteriores. Estamos envolvidos em dois processos judiciais contestando essas autuações tributárias, uma das quais abrange os anos de 2007, 2008 e 2009, no valor total de R $ 1,08 bilhão, e a outra, os anos de 2010, 2011 e 2012, no valor agregado de R $ 1,07 bilhão, em dezembro de 2016. Fornecemos uma garantia bancária no valor total em disputa para suspender o processo de cobrança enquanto nosso processo judicial estiver pendente, conforme exigido pela legislação brasileira. O procurador estadual do Pará emitiu uma opinião a nosso favor,

Além disso, as autoridades fiscais do Estado de Minas Gerais sustentam que a Vale também deveria ter pago ICMS em relação ao transporte de minério de ferro, mas, na visão da Companhia, tal tributação não é aplicável porque o minério foi transportado diretamente pela Vale. O tribunal decidiu a nosso favor com relação à autuação fiscal referente aos anos de 2009 e 2010, no valor total de R $ 566 milhões. A discussão permanece em relação aos anos de 2011, 2012 e 2013, no valor total de R $ 855 milhões, e também esperamos um resultado favorável.

Saiba mais em:

https://sec.report/Document/0001047469-17-002477/