Renova propagandeia como “benfeitoras” ações no rio Doce que não passam de sua obrigação judicial